22/11/2011

Dia do músico, o presente é nosso.

Então chegou o dia do ano que tenho que parabenizar uma fila enorme de pessoas, que conheço e que não conheço por existirem e fazerem o que mais me emociona no final das contas, a música.

Tenho algumas lembranças de quando eu tinha uns cinco anos de cantar Erasmo Carlos e abraçar meu pai, que me girava até ver tudo girando e chorar por pensar que o mundo ia ficar confuso daquele jeito para sempre.
Talvez o mundo fosse mesmo ficar confuso para sempre, e ficou. Cresci ouvindo músicas que me diziam coisas sobre o amor e me deixavam melancólica, quem sabe romântica demais. Meu pai era amarrado em The Carpenters e Bee Gees, eram tempos legais. Minha mãe ouvia muito Nilson Chaves e Zé Ramalho, sempre teve um jeito mais hippie.
Acho que a única coisa que eu não gostava na minha infância era ter que ouvir o disco da Simone de Natal. Infelizmente tinha um desse lá em casa, coisa rara.

Poderia falar sobre Bob Dylan ou qualquer outro músico que eu idolatre, mas prefiro pensar no dia do músico de um jeito diferente. Fico imaginando, por exemplo, nesse projeto que a Fundação Tancredo Neves tem (não é venda de peixe, juro), o “Sala de Cordas”, que ensina gratuitamente crianças, jovens e adultos a tocarem violão e outros instrumentos de corda. Um curso musical é caro, nem todos podem pagar, mas todos têm o direito de aprender e se envolver com a música.
Muito tempo que passei pensando em música fez de mim uma pessoa melhor, na minha família tem muita gente que adora tocar um violão. Minha vó por parte da minha mãe cantava o dia inteiro. Eu e meus primos corríamos pela casa e ela regava as flores do quintal, sempre cantando. Certa vez entrevistei um pai que apoiava totalmente a carreira do filho de 16 anos, mesmo sem saber se o filho tinha talento ou não para a música.
Faltam pais que apóiem, faltam casas de show que apóiem, falta muita coisa, mas os músicos seguem em frente mesmo faltando muito para que eles exerçam a arte com qualidade, nos dando as trilhas sonoras de nossas vidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário