06/07/2012

A primeira banda é como o primeiro sexo



È um tal de carrega pedal pra cá, leva bateria pra lá, empresta cabo e microfone do primo do namorado da amiga. Ter uma banda talvez tenha sido o grande sonho dos meus amigos quando mais novos, era o meu também.

Tinhamos bandas com o nome de músicas do "Nirvana" ou do "Black Sabbath", sonhavámos com o sucesso bebendo vinho na grama coladinha a igreja. Inventavamos mentiras coletivas que sustentasse a confiança dos nossos pais, assim tinhamos mais tempo pra tocar violão.

Quando você cresce n'uma cidade de interior tem que improvisar do jeito que dá, e acredite, improvisavamos muito. Haviam as rivalidades entre punks e metaleiros, que nem eram tão punks e metaleiros assim (risos). Até hoje ninguém sabe muito bem o que é, aí acaba dizendo que é alternativo.

Nunca entendi porque na época eu tinha que escolher um lado, mas acabava andando com os punks. Hoje quando olho o facebook de cada um deles estão todos com camisas legais da lacoste ou são pais comportados, tudo bem, as coisas mudam, aceito isso bem. Melhor do que um dia eu mesma imaginaria.Pra falar a verdade ter facebook já exclui a possibilidade de ser punk (polêmica rs).

Mas o que leva alguém a montar uma banda?! 



A maioria das grandes estrelas do rock sempre contam histórias de nascimento de sua banda atribuídas a ter um amigo, querer fazer um som, ter umas letras e pegar umas garotas. 

Acho que vai além disso, é uma espécie de vontade de se expressar, o tal do transbordamento do "eu", que alguns aceitam e outros reprimem. Felizmente parte da humanidade transborda seu eu em forma de música, criando-a ou simplesmente reproduzindo.

Seguimos cultuando nossos ídolos e lendo o mesmo que liam, mas e se nós que sonhamos tanto em ter bandas não lemos mais nada?! Sobre o que escreveremos ou tocaremos? Até mesmo para se narrar o vazio precisa-se de preenchimento. Uma banda cria um tecido de crochê que cada instrumento conversa com o outro, há os que digam que um cara e um computador são uma banda, tudo bem pode ser, mas ainda faz meu coração e minha cabeça ver a cara do baixista desligado do mundo, o vocalista mergulhando com seu público em algum mar de inspiração desconhecido, o baterista jogando a baqueta na oitava música e o guitarrista dando seu solo, deixei ele por último na citação, porque reza a lenda que eles querem ser sempre os primeiros (risos).


Ter uma banda é sonhar, é se arriscar, é amar a música e esperar por sentimentos desconhecidos como os da primeira trepada que sendo boa ou ruim, ninguém esquece.

Um comentário:

  1. Fofinho :)
    Sempre quis ter uma banda, pena que não tenho talento pra isso rs

    Nayra.

    ResponderExcluir