17/10/2012

"Under Pressure" porque sobreviver não é viver.

















"Pressão está me derrubando com um empurrão [..] a insanidade sorri, sob pressão estamos pirando. Não podemos dar a nós mesmos mais uma chance. Por que não podemos dar ao amor mais uma chance?"


Freddie Mercury e David Bowie cantando "Under Pressure". Então você acorda em uma quarta-feira e pensa que essa música resume bem a vida atual. A gente tá sempre sob pressão, mas na maioria das vezes a pressão vem das nossas próprias neuras. 

Somos frutos de uma sociedade perturbada e cheia de paranoias, desde ter que usar rímel para ir à padaria a sonhar com uma vida melhor e não fazer absolutamente nada, porque somos tão idealistas, que se falamos 5 mil palavras por dia, receio que menos da metade delas se propaguem em ações. 

É muito fácil pensar em mudar a realidade se atendo apenas ao conceito de caridade, essa é apenas uma parte e bem pequena do processo de "mudar o mundo". A caridade deve ser algo natural, mas em algumas ocasiões talvez a gente nem perceba que se dá ao "próximo" com a esperança que Deus nos dê mais, que ele nos abençõe com coisas boas, por mais que se lute contra esse pensamento, vez ou outra nossa mente falha cai nisso e como é difícil olharmos para nós e percebermos que não somos nenhum exemplo de herói ou messias, não, não somos.

Mas tudo bem sabe, você ajudou, você fez sua parte. Porém, esse ainda é um pensamento muito simplista e limitado sobre o grande mistério de mudar o mundo. Não é bem o mundo que precisa de uma mudança, somos nós. Não precisamos pensar que a mudança que esperamos acontecerá quando todos formos iguais perante Deus ou perante nós mesmos. Ser igual não faz com que as pessoas parem de passar fome. É preciso pensar no coletivo mesmo sendo diferente, pois a vida moderna fez com que o ego seja nosso foco e construímos nosso tempo de modo que não se tem tempo para nada além de nós. 

A riqueza da vida, o bonito mesmo dela é ser diferente e se você tiver que construir algo pelo bem do coletivo não é porque somos todos iguais ou porque você pensa no próximo como pensa em Deus, mas é porque o amor faz a gente fazer essas coisas, e o amor meus caros não tem dogmas, não tem religião, ele é como uma mulher que se entrega a um homem sem pensar no que hão de falar, é natural e por ser natural é tido como imoral em sua essência. 

Além disso devemos fazer o que é preciso para que a sociedade seja mais justa, porque é o caminho da harmonia. Se conformar com o que temos é um exercício difícil de fazer, porque nosso instinto humano é formado pelo desejo de ascensão, de ir além, de conseguir se superar. Transformar a realidade é além de refletir diariamente sobre ela fazer valer a máxima de que não é o tempo que passa, somos nós. Sinto muito dizer mas a vida não é uma luta entre o bem e o mal, viver se trata de evoluir, de fazer alguma coisa que preste com o cérebro que você tem.

E o conceito de humildade não deve ser confundido com deixar que os que se acham mais fortes pisem em você. Viver em paz não significa repudiar a guerra, todo os dias são dias de guerra, de luta, porque lutar pelas coisas alimenta o potencial do homem, o nutre do que achamos que temos, mas não temos ainda, um espirito livre. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário